Prestes a completar um mês em Toronto: 10 coisas que aprendi sobre a vida aqui

Oi pessoal!

Hoje estou super empolgada para escrever. Começou um novo ciclo na escola, aulas diferentes, professores diferentes e novos alunos!
No primeiro ciclo, que dura quatro semanas, peguei as seguintes matérias: Journalism, Conversation I3 e Grammar I2. Agora escolhi Global Social, Public Speaking e Grammar I3 (passei na prova e subi de nível..hehe).
As aulas foram legais, a Nath, minha amiga baiana-paulista está comigo na turma de Global Social e muitos colegas da antiga turma de gramática também continuaram na mesma matéria (você pode escolher fazer só um mês de gramática e depois fazer outra matéria, mas decidi continuar pois quero me sentir bastante segura na escrita)!
Bom, deixando as minhas aulas de lado, hoje eu quero fazer um post com uma retrospectiva do que aprendi em quase um mês de Canadá (simmm, faltam 2 dias)… Foram muitas coisas, principalmente sobre diferentes culturas, mas resolvi escolher apenas 10 curiosidades porque não quero criar um post imenso e super cansativo para ler. Aos poucos vou fazendo outros posts com mais aprendizados e também com o que ainda não aprendi! Ok?

1-O clima é completamente maluco
Pois é. Um dia você acorda com 2 graus e no outro faz 16 graus. Uma boa quantidade de vitamina C na mala não faz mal a ninguém. Nas primeiras semanas é super normal ficar resfriado.

20120423-230648.jpg
Vai entender…

2-Ande sempre com uma mochilinha ou uma bolsa que não seja muito pequena
Justamente por ter um clima tão louco, aprendi que uma mochila é a companhia para todas as horas. Nela você põe um cachecol, uma luva e um gorro, uma meia a mais ou uma blusa a mais. Você pode ir colocando se a temperatura cair, ou pode ir num banheiro qualquer (já fiz isso várias vezes) e tirar metade das roupas que está vestindo caso sinta calor.
Ela também será muito útil para colocar as compras durante os passeios. Mas isso eu vou explicar num outro tópico.

20120423-213659.jpg
Minha companheira inseparável. Vai comigo a todos os lugares..

3-Os ônibus não dão troco
E eu não sabia disso no primeiro dia que usei um. Parei no ponto e uma alma caridosa percebeu que eu segurava CAD$ 5 – o ônibus custa 3 dólares -, então ela trocou o dinheiro e eu consegui ir pra aula. No metrô você consegue trocar o dinheiro. Portanto, lembre-se de ter três dólares exatos em mãos ao pegar o bus pela primeira vez.
Farei um outro post somente sobre o transporte público em Toronto pois tem muita coisa para explicar.

20120423-212907.jpg
A moeda de 10 cents é menor do que a de 5 cents e a de 1 cent

3-As pessoas falam “I am sorry” o tempo inteiro
Em duas semanas você vai perceber que pegou o mesmo costume. Aqui até mesmo se você pisa no pé de alguém ela te pede desculpa. Você ouve muito no metrô quando alguém encosta em você. Ou se você quer passar por algum lugar e tem alguém bloqueando a passagem. Você pede licença e a pessoa responde “I’m sorry”. Ainda vou contar quantas vezes ouço por dia. É uma boa ideia!

4-As taxas, sempre as taxas…
Se alguém me perguntar o que Toronto tem de ruim eu direi na lata: as taxas. Sim, porque você vai toda empolgada comprar uma coisa e esquece das palavrinhas plus taxes que estão pequenininhas ao lado do preço dos produtos. A taxa é o imposto que pagamos à provincia e ao País. Pelo que eu entendi (I am sorry se eu estiver enganada) paga-se o mesmo percentual de taxa para serviços, bens, artigos e alimentos. Sei que alguns alimentos básicos têm uma taxa menor, mas preciso pesquisar pois ainda não aprendi isso.
Mas já aprendi que nada custa o valor que aparece na etiqueta.

20120423-215446.jpg

5-Em bares e restaurantes, os garçons podem te tratar mal se você não dá gorjeta
Fui a um bar chamado The Madison Pub, point dos estudantes às quintas quando a cerveja custa CAD 3,50. Fiquei indignada porque a garçonete não deu meu troco de CAD 0,50. Eu e minha amiga Nath, que também não tinha recebido o troquinho dela, não saimos do balcão enquanto ela não nos devolveu. A garçonete então jogou as moedas e deu um grito bem alto “Nunca mais voltem aqui”! Haha
Fiquei assustada e depois me disseram que aqui as pessoas costumam dar 1 dolar de gorjeta por cerveja. Aff, sou estudante, ainda não posso fazer isso. Então ainda vou ouvir muitos gritos por aqui…

6-Os canadenses são completamente diferentes dos brasileiros
Não espere que um canadense seja afável com você, ou que te ache bonita (o) e peça seu telefone. Isso só vai acontecer se ele estiver bebendo (claro, há exceções, mas to falando no geral) ou se vocês já se conhecerem há algum tempo. As pessoas são mais frias e mais introspectivas e super educadas. Elas podem ser grossas se falam algo três vezes e você não entende.. Hehehe, aconteceu comigo.
Mas podem ser muito prestativas também, como a moça que trocou meu dinheiro para que eu pegasse o ônibus, um rapaz que pagou meu metrô porque eu não sabia que deveria pegar o transfer e não sabia se eles davam troco e um senhor que me ajudou quando eu estava perdida.

7-Lixeiras de reciclagem estão em TODOS os lugares
A campanha e a conscientização dos canadenses acerca da reciclagem é muito intensa. Você vê nas casas o lixo sendo separado, nas escolas, ruas e estações de metrô. Óbvio que você vai ver algumas coisas no lugar errado, plástico onde deveria ser alumínio, lixo orgânico onde deveria ser papel…Mas eu me assustei positivamente com a campanha para a reciclagem em Toronto. A cidade é bastante limpa, se comparada ao Brasil. Mas em alguns horários a gente consegue ver algum lixo espalhado nos metrôs e ônibus (muito jornal e copo de café).

8-As pessoas lêem bastante
Mesmo com a correria de uma cidade completamente voltada para o business a gente consegue perceber que os canadenses possuem o hábito da leitura. O jornal Metro gratuito e disponível em todas as estações é um dos mais lidos. Quem não está lendo um jornal, revista ou livro (impresso ou em tablets) está em pé ou cochilando ou ouvindo música.

20120423-224152.jpg

9-Sacolas plásticas e de papel são cobradas nas lojas e supermercados
Sempre que você fizer uma compra o/a vendedor/a vai te perguntar “Do you need a bag?” ou traduzindo “Você precisa de uma sacola?”. Mas nem vá pedindo achando que é de graça. Aqui você paga 5 cents por cada sacolinha. Não sei ainda se o preço varia, mas até agora só encontrei sacolas com esse valor. Por isso, mais uma vez, a mochila é super bem-vinda.

10-Ninguém vai se importar com a sua maneira de se vestir. A não ser as pessoas da mesma nacionalidade que a sua
Em um passeio pelo shopping mais movimentado de Toronto, o Eaton Centre, caminhando nas ruas ou até mesmo enquanto espera o metrô você vai se surpreender com a diversidade de estilos que você vai encontrar. Além das grande quantidade de diferentes grupos étnicos, a cidade transpira singularidade. As pessoas se vestem como querem e não para serem aceitas pela sociedade. Mas o assunto moda torontoniana é tão vasto que merece um post só para ele. ☺

Esses dez aprendizados são apenas alguns entre tantos outros, mas entre erros e acertos posso dizer com toda a certeza que não me arrependo de ter escolhido Toronto para morar. Está sendo uma experiência fantástica!
Ainda tenho muito o que conhecer sobre a cidade e sobre as pessoas que nela vivem, muitos erros a cometer.. Mas sei que a cada despertar me preparo para mais um dia cheio de aprendizado. É essa a energia que me move.

Espero ter ajudado alguns amigos que pretendem fazer intercâmbio no Canadá!
Ah, please não reparem nas imperfeições de espaçamento entre fotos e textos e outros erros. Eu tô fazendo tudo pelo aplicativo do wordpress para Iphone e fica complicado visualizar e consertar essas coisas…
Até breve,

Aritta Valiense

Anúncios

Um bye bye ao melhor homestay de Toronto

Hiii!

Essa semana foi a mais cansativa desde que cheguei a Toronto. Teve niver de amiga, despedida de amigo, mudança para a nova casa, primeiro dia no supermercado.. Nossa, nem sei por onde começar.
Hoje me despedi da homestay, onde fiquei por 4 semanas. Fiquei com o coração apertado pois quando a família é legal a gente acaba se acostumando.
Eu ja falei em outro post o quanto Glen, Carolyn e as duas garotinhas eram legais comigo. Sem falar que a comida deles era a melhor e mais saudável que eu ja vi, em comparação aos homestays que alguns amigos estão. Tem gente que leva noodles umas três vezes por semana, enquanto a minha lancheirinha estava sempre recheada de coisinhas feitas com carinho (ela preparava a lancheira da filha também, então o que ia para a filha, vinha para mim rs).
Ontem Glen preparou um Duck Confit (pato) maravilhoso!
Quando ele disse “duck” eu logo pensei “Ai meu Deus, eu nunca comi pato no Brasil.. Não sou muito chegada nessas coisas, o que eu vou fazer?”. Mas o cheiro e o visual do prato estavam tão atraentes que eu não hesitei na primeira garfada. PERFEITO!
Além de estar super macio, ele fez um molho meio adocicado com cebola roxa e para acompanhar, quinoa, salada verde com raspas de maçã e aspargos refogados. Muito bom!

20120422-203229.jpg
Duck Confit

Carolyn não podia ficar para o jantar, ela já havia me avisado e pedido mil desculpas na noite anterior. Foi super carinhosa e na sexta-feira trouxe hamburgers de um restaurante bem conhecido aqui em Toronto, mas esqueci o nome! Hahaha
Ontem as meninas estavam super agitadas pois sabiam que era o meu último dia. Mas prometi que iria visitá-las no verão. Amelie toda fofa disse, aos seis anos de idade: “Eu vou me preocupar com Aritta”.

20120422-204121.jpg
Amelie, eu com Cielle no colo (estava agitada e não queria foto) e Carolyn

20120422-204221.jpg
Glen, o melhor cozinheiro de Toronto hahaha

Bom, me despedi da família canadense por volta das 13h (1PM) e fui de mala e cuia para a nova casa em Eglinton West, chamado de “bairro negro” porque a maioria dos moradores são negros, óbvio. Rsrs
A localização da casa é perfeita. O bus (o normal e o 24h) para na porta! Bom demais! Além disso, fica na linha amarela e não preciso trocar de metrô na ida para a escola.
Ficarei nessa casa durante um mês (calma, não virei cigana) até achar com um apartamento legal com as meninas. Um amigo mexicano me chamou e disse que havia um quarto vago. A casa é de uma senhora das Filipinas e o basement é enorme! Tem cozinha, sala, banheiro e três quartos.
É difícil entender o que a dona da casa (Firmina) fala, pois o inglês dela is not so good. Mas acaba sendo engraçado. Na parte de cima da casa ficam ela, o filho (que deve ter a minha idade) e dois coreanos. Portanto, em uma casa moram 1 mexicano, 1 brasileira, 2 corenos (chegaram ontem e ainda não falam nada) e 2 filipinenses (não faço a menor ideia de como se chama quem nasce nas Filipinas). Resumindo: uma salada cultural.
Vocês conseguem imaginar todo mundo conversando? Nem eu…Vamos aguardar!

Beijo beijo

E então bate o desespero…

Oi gente!

Hoje vou escrever pra desabafar. Antes de chegar em Toronto todos os amigos que já haviam feito intercâmbio me falavam: Alguns dias serão difíceis e você vai sentir vontade de sumir. Vai bater o desespero por não ter família e amigos por perto, mas você precisa ser forte.
E eu duvidava que fosse me sentir assim. Estava tão empolgada com tudo que o que meus amigos haviam dito parecia uma realidade distante da minha.
Pois bem. Eles estavam certos.
Há alguns dias iniciei a procura por um apartamento para dividir com duas amigas. Nunca pensei que fosse tão difícil achar um lugar que reúna os quesitos bom preço + boa localização + espaço suficiente para abrigar 3 estudantes.
Antes de vir morar aqui eu sequer sabia da existência de aluguel de basements (porão, onde eles transformam num apartamento muitas vezes bem apertadinho). Me indicaram os sites Kijiji, Viewit e Craiglist. Porém, existem diversos jornais onde também é possível achar classificados.

20120416-222923.jpg

Os sites oferecem uma infinidade de opções de moradia para todos os gostos e bolsos. O problema é que nem sempre é fácil achar um local furnished (mobiliado), com um preço bacana e localização fácil. Alguns são longe da estação de metrô ou não estão na rota dos ônibus 24h. O que se torna difícil já que o metrô funciona somente até 1h30 da madrugada.
Enfim, marquei algumas visitas e com o passar dos dias você já nem se preocupa mais com os móveis.. Não sendo tão longe e caro, tá ótimo!
Achamos um basement bacana, na região de Victoria Park. Espaçoso, ótimo preço. Mas a distância atrapalha a nossa decisão. É preciso pegar um ônibus que leva 40 minutos até a estação e depois o metrô em direção leste até St. George, onde a gente desce e pega outro metrô em direção sul para a St. Patrick. Uma hora em média.
Hoje saímos da aula empolgadas com as três visitas marcadas. Na verdade uma delas não foi marcada, mas gostamos tanto das características do local que fomos lá sem avisar. Resultado, amamos o prédio mas ficamos só no hall de entrada.
A segunda opção desmarcamos quando percebemos que era muito longe. Partimos para a terceira, que estava tão longe quanto a que desmarcamos. Nem mesmo os mapas do Iphone nos ajudavam. Em alguns momentos me sentia tão perdida que pensei em desistir.
Pegamos o subway no centro da cidade e seguimos a caminho de Kennedy. Gente, não sabíamos que era tão longe, em outra cidade!

20120416-223315.jpg

Descemos e caminhamos por uma rua longa, batemos na porta errada até descobrir que a casa que procurávamos era a ÚLTIMA. Ok. Um simpático indiano nos recebeu e nos levou ao basement.
Sabe cheiro de cozinha de restaurante chinês, indiano, japonês, tailandês, tudo junto e misturado? Pois é. Chegamos bem na hora em que estavam preparando o jantar e o cheiro no basement era tão insuportável que olhei pra minha amiga e percebi que ela prendia a respiração!!!! O lugar era horrível. Sem mais comentários.
Voltamos frustradas e ao mesmo tempo com um fiozinho de esperança que um dos nossos contatos responda os e-mails enviados.
Cheguei em casa quase 9 da noite. Tão cansada, desapontada e desesperada que sequer dei boa noite à família canadense.
É, nessas horas a gente percebe que fazer intercâmbio não é fácil. É uma montanha-russa. Em um momento você está lá em cima, mas desce tão rápido que dá vontade de dizer: Pare, eu quero descer!
Mas eu não vou falar de jeito algum.

Beijo

Aritta

Easter Parade Toronto

Hii people!

Nos últimos três dias estive um pouco doente. Gripe, tosse, dor de cabeça..Também tive bastante homework e ai não sobrou tempo para o escrever aqui. 😔
Ainda não falei sobre a Toronto Easter Parade, um desfile que aconteceu no domingo de Páscoa (8) aqui bem pertinho de casa, na Queen Street.
É um evento bastante tradicional na cidade, organizado pelo The Beaches Lions Club e na última edição reuniu cerca de 40 mil pessoas.
Muitas famílias vão até o local para assistir ao desfile dos carros alegóricos, acompanhados por grupos musicais, adultos e crianças fantasiados…

20120411-172312.jpg
Público aguarda na calçada o início do evento

20120411-173855.jpg
Crianças levam cestinhas para guardar os doces que ganham durante o evento

20120411-174112.jpg
Logo no início, uma restrospectiva de como eram os onibus municipais e carros usados pelos bombeiros e polícia antigamente, até chegar aos atuais

Ao observar o desfile, logo a gente percebe que é, antes de qualquer coisa, uma oportunidade que as instituições e os comerciantes encontram para atrair a atenção do público. Os participantes são donos de restaurantes, escolas, comércio em geral, além de hospitais, clubes e associações. Cada um enfeita o seu carro alegórico ou fantasia um grupo de pessoas que exibem a marca a ser divulgada durante o evento.

20120411-175522.jpg
Membros do Lions Beach Club

20120411-181920.jpg
Você pode encontrar muita coisa estranha…

20120411-182010.jpg

20120411-182716.jpg
…e engraçada!

20120411-182900.jpg
Adultos…

20120411-183017.jpg
Jovens…

20120411-183250.jpg
Crianças

20120411-183406.jpg
Até príncipes participam do desfile!!

20120411-183630.jpg
Vale a pena conferir!

Se você vier a Toronto no período da Páscoa, não deixe de assistir ao desfile. É uma oportunidade de participar das tradicões locais, além de ser muito divertido ver as “figuras” que participam do evento. E o melhor de tudo, não custa nada!

Fica aqui a dica para a próxima Páscoa na big city canadense.

Até breve!

Beijo beijo

Contra a TPM, muita caminhada em Toronto

Oii people!

Confesso que não estava muito afim de escrever hoje. Estou há 2 dias com TPM e tá difícil me suportar…hehehe
Mas, ao mesmo tempo, precisava desabafar e tentar me distrair. Vamos tentar!
Foi uma semana bastante corrida e os dias estão passando muito rápido! Ontem foi bem complicado pois a minha TPM chegou e costumo ficar um tanto quanto carente, preguiçosa e dramática nesse período. Acordei com vontade de passar o dia inteiro na cama, cheia de pensamentos do tipo “Meu Deus, fiz a coisa certa vindo pra cá?”… Ai bateu a preocupação com milhares de coisas que há um dia não me incomodavam. Enfim, resolvi dar uma volta na praia, pois o dia estava lindo!
Comprei um cartão para fazer ligações internacionais (depois farei um post para falar como funcionam esses cartões) e liguei para a minha família. Falei com vovó, vovô e com uma tia. Ao desligar, 70% do meu baixo-astral já tinha me deixado. 😊😊😊
Depois decidi ir à Downtown dar uma volta. Peguei o metrô até o Eaton Centre e fiquei passeando por um tempo, até que encheu o saco e saí sem rumo pelas ruas próximas para conhecer o que eu ainda não conhecia.
Foi uma experiência super agradável, pois a região da Dundas Street tem muita coisa bacana para se conhecer…
Passei pelo Old City Hall, localizado no cruzamento da Bay Street com a Queen Street, ao lado do Eaton Centre! No local, inaugurado em 1899, funcionava a antiga prefeitura de Toronto, mas atualmente é a sede das cortes judiciárias municipais.
Abaixo, alguns clicks dos passeios deste sábado:

20120408-055018.jpg
Passeio na praia! A temperatura estava super agradável

20120408-055126.jpg
Mesmo com o sol, não dá para tirar o casaco, pois o vento é muito frio

20120408-055351.jpg
A água deveria estar um gelo!!!

20120408-055513.jpg
Após caminhar na praia e relaxar, a modernidade do Eaton Centre

20120408-055731.jpg
Mais uma do Eaton Centre

20120408-055840.jpg
Após o Eaton, dei uma volta na Bay Street e conheci o Old City Hall

20120408-060707.jpg
É muito interessante observar como as antigas construções dividem espaço com prédios super modernos

20120408-060830.jpg
Foto de quem visita os lugares sozinha…

20120408-060937.jpg
…dai aparece alguém que também está sozinho e vocês se ajudam. Um fotografa o outro!

Chega de fotos, né? Rsrs
Bom, voltei para a homestay no finalzinho da tarde bem mais animadinha e com a TPM num nível inexpressível. Um jantar maravilhoso me esperava: quiche e salada! Adoro a comida que eles preparam!!!

Espero que tenham gostado das fotos! Jajá farei um post sobre o domigo!

Beijo beijo

Aprendendo com as diferenças

Oiiiii!!!

Ontem eu escrevi um post e achei que já tinha colocado no blog, mas hoje percebi que não entrou..
Queria falar sobre o quanto tenho aprendido convivendo com pessoas de diferentes nacionalidades. É incrível como absorvemos uma vasta quantidade de conhecimento numa velocidade surpreendente durante o intercâmbio. Eu não tinha essa noção até chegar em Toronto.
Você olha ao redor e em todos os lugares há pessoas completamente diferentes umas das outras…
Passo a maior parte do tempo na escola (das 9h às 16h) onde a maioria dos estudantes são asiáticos, árabes e brasileiros (sim, brasileiros estão por toda parte aqui!). Há muitos venezuelanos, mexicanos e colombianos, mas nas aulas que frequento eles são minoria.
Algumas vezes iniciamos discussões sobre temas diversos como comportamento, costumes ou planos para o futuro…É ai que percebemos que as diferenças culturais são gritantes!
No primeiro dia em que ouvi um árabe falar sobre como as mulheres devem se comportar para que um homem a escolha para casar, fiquei indignada. Claro que conheço os costumes árabes, já lí bastante sobre o assunto, mas quando alguém está tão próximo de você falando coisas que na sua cultura não existem, a vontade que dá é de sacudir a pessoa e falar “Acorda! Estamos em 2012!”… Mas eu jamais poderia fazer isso. É preciso ser tolerante é aceitar as diferenças que nos separam. Acho um absurdo um país que tem a pena de morte para os homossexuais, mas que direito tenho eu de julgar as crenças desse povo, se ao falar que no meu país é comum a traição, homens e mulheres que mantém uma segunda família em segredo, eles me dizem: Nós não mentimos. Praticamos a bigamia e até a poligamia, mas nada é escondido. E me questionam: Por quê vocês mentem para o parceiro?
Enfim, algo que tenho trabalhado em mim todos os dias é evitar questionar porque as coisas são como são em outros países. Não dá pra julgar porque há coisas no meu país que também são questionáveis e eu não tenho a resposta se alguém me pedir.
A ordem do dia é tolerar e aceitar cada um com a sua maneira de se comportar, vestir e pensar. Afinal, somos feito do mesmo “material”, não é?

20120406-155437.jpg
Turma da aula de conversaçao

First weekend in Toronto

Olaaaaa!!!

Demorei mas apareci novamente! Hj completo uma semana em Toronto!!! Acho que o meu subconsciente já tinha pensado nisso quando por impulso comprei dois cookies para lanchar. Foi a comemoração!
Quero contar um pouquinho sobre o meu passeio de domingo. O tempo não estava muito bom e choveu pela primeira vez desde que cheguei. Acordei um pouco mais tarde, tomei um café bemmmm gostoso que a Carolyn preparou e, em seguida dei uma pesquisada nos aplicativos que baixei com dicas de passeios em Toronto. São bem legais e ajudam bastante quando você está um pouco perdido.
Carolyn me disse que não era um bom dia para conhecer a CN Tower pois estava bastante nublado e eu não conseguiria ver muita coisa. Então decidi conhecer a AGO – Art Gallery of Ontario, que fica na Dundas Street West, bem pertinho da escola que estudo.
A galeria é enorme!! É a oitava maior da América do Norte! São cinco andares com diversas salas que abrigam milhares de quadros, fotografias, esculturas e objetos de artistas de diferentes nacionalidades.
Mesmo para quem, como eu, não conhece tanto sobre arte, o local é mágico e um tanto quanto curioso.

20120402-210407.jpg

Entrada da Galeria

20120402-210446.jpg

Uma das salas que mais gostei foi a de artes contemporâneas com criações do artista cubano Carlos Garaicoa. Fiquei encantada com a obra Postcapital, uma maquete construída inteiramente com objetos que representam as moedas de cada país! Por exemplo, o Real brasileiro está representado por uma garça, encontrada na cédula de 5 reais ( eu acho que era uma garça, me desculpem se tiver errada). Ao redor da maquete um pequeno número identifica qual a origem da moeda e o valor.
Eu queria colocar uma foto, mas não é permitido fotografar e não achei na internet. Só pude tirar fotos do prédio.

20120402-212041.jpg

As vidraças permitem uma ampla visão dos bairros ao redor da Galeria

20120402-213331.jpg

Escadas em espiral

Além da galeria existe uma lojinha onde você encontra livros sobre Arte, objetos de decoração, artigos de papelaria e camisetas.
Valeu a pena a visita!! Pretendo voltar em maio, quando a galeria receberá por volta de 150 obras de Picasso, que estão atualmente expostas no Museu Nacional Picasso, em Paris. As peças ficarão na AGO até o final do ano, período em que terminará a reforma do museu francês.

SERVIÇO
O que: Art Gallery of Ontario
Onde: 317 Dundas Street West
Quanto custa: $ 11 (estudantes) / $19,5 (adultos)
Funcionamento: Fechado somente às segundas. Ter, Qui, Sex, Sáb e Dom aberto das 10h às 17h30. Quarta das 10h às 20h30

Beijo beijo beijo