Estranho é não gostar de fazer companhia para você mesmo

  Hoje a tarde eu deixei os livros de lado, dei um beijo de despedida no meu namorado e disse que iria dar uma volta. Caminhei pela beira do lago, parei em um parque e sentei em um dos bancos. Foi quando observei um senhor, sozinho, em sua cadeira de rodas. Quinze minutos se passaram e então ele deu a volta e seguiu o seu destino. Antes que ele partisse eu pensei em sentar mais perto, trocar algumas palavras, fazer um pouco de companhia. 

Então eu lembrei que nem sempre quem está sozinho precisa de alguém. Algumas vezes você está sozinho por opção, por precisar de um tempo que seja só seu. 

Você já deve ter lido que “é preciso primeiro aprender a estar sozinho para que se aprenda a estar com alguém” inúmeras vezes em textos sobre relacionamentos, livros de auto-ajuda, horóscopo semanal, ou até em embalagem de balas. 

Na maioria das vezes você põe o clichê em prática logo após terminar um relacionamento, decepcionar-se com uma grande amizade ou perder um ente querido. 

Parece mais fácil curar toda a dor tentando achar dentro de si mesmo respostas para perguntas que nem sempre terão uma solução. É quando a gente decide que é chegada a hora de mudar, de se amar, de aproveitar a vida com maior intensidade ou até tentar um novo corte e cor de cabelo. 

O que você não percebe, é que aprender a estar sozinho quando você já se sente sozinho nem sempre funciona. Você está triste demais para ver o lado positivo de qualquer coisa ou pôr em prática qualquer filosofia de vida que seja. 

É preciso aprender a estar sozinho, reservar algum momento para si mesmo, enquanto não temos a obrigação de fazê-lo. É preciso ser estranho ao ponto de convidar-se para uma balada, vestir-se para você mesmo e sair não para encontrar alguém, mas para encontrar a si próprio. 

Eu tenho o hábito de sair sozinha e já fui muito criticada por alguns dos meus amigos. Vou a bares, restaurantes, viajo e vou até para a balada sozinha. Não é falta de companhia. É excesso. Eu posso escolher entre chamar o meu namorado, uma amiga ou colega de trabalho. Mas eu gosto de sentar na mesa de bar, pedir um drink ou comer algo e observar as pessoas. Perdi as contas de quantas vezes recebi olhares estranhos. Eu não me importo. 

A verdade é que aprendi, depois de algum tempo, a ter momentos só meus, que vão além do salão de beleza, academia ou coisas do tipo. Eu me divirto sozinha e me faço companhia porque sei que logo mais a frente, a vida vai se encarregar de levar alguém de surpresa, e ainda que eu não esteja preparada para a perda, eu terei consciência de que dá sim pra levar a vida adiante sem esse alguém. Vai ser mais difícil, mais doloroso, muitas vezes a perda é eterna, noutras o espaço pode ganhar outro dono, mas a gente segue em frente. 

Não espere a solidão chegar para que você se desespere e tente aprender a dar os primeiros passos sozinho. Comece enquanto ainda está na sua zona de conforto. Prepare-se como quem estuda com antecedência para uma prova final sem data marcada. Pode soar estranho, mas é a verdade. 

Acredite: aprender a escolher você mesmo quando se tem tanta gente para te fazer companhia é uma honra das grandes. Tenta.  


Anúncios

13 comentários sobre “Estranho é não gostar de fazer companhia para você mesmo

    1. Que bom que gostou!!! Tá em Montreal? Aproveita e vai tomar um sorvete por mim na Les Givrès! Amoooo o sorvete de lá! Tem um post meu aqui contando sobre a minha última ida a Montreal!
      Beijo e tenha uma ótima semana

  1. Roberta lucio

    Amei o que li, essa semana estava pensando justamente sobre isso… As vezes nos prendemos as pessoas de uma maneira tão forte que chega a parecer dependência. Tenho que exercitar isso, já consegui fazer várias coisas só e hj não consigo. Beijos

  2. spatriarcha

    Sempre dou uma lidinha nos textos antes de dormir. E tô doida pra dizer assim: “sabe a Aritta, do blog e do livro (é, tô cobrando novamente)? Eu conheço pessoalmente… Vivia dizendo pra ela escrever esse livro, acreditam? ”

    Beijo, Linda. Siga sempre voando!

    1. Hahaha você é demais!!! Obrigada por ser tãaaaaaao atenciosa e carinhosa! Adoro os seus comentários e o seu incentivo pra que eu produza sempre mais. O livro vai sair um dia e você vai ser uma das primeiras a saber!
      Beijoooo

  3. Karoline

    Oi Aritta!
    Amei o seu blog, parabéns =)
    Vou fazer um intensivo em Toronto de 4 semanas agora em junho e o seu blog está sendo uma referência perfeita para o mês que vou passar na cidade!
    Cada dia me empolgando mais!!
    Beijos

  4. Raquel

    Gostei muito até porque aprendi que a companhia de mim, comigo e eu, são as melhores! Também saio sozinha quando possível pois agora tenho uma criança pequena e esses momentos são muito raros mas qnd posso saiu comigo mesmo!

  5. Suêd Vieira

    Adorei sua postarem!
    Há 6 meses moro só, depois de terminar um casamento de 43 anos. Tenho 62 anos e ele 65 e ele me disse que nunca acreditou que eu saísse e quer voltar. Mas eu não quero e não vou voltar. Estou trabalhando muito, batalhando para sobreviver e ainda depois de ter quebrado a mão direita. O que importa é que consegui sair de um casamento falido e mentiroso. Agora sou feliz e “NADA VALE A MINHA PAZ!”
    Sucesso e obrigada! Um beijo!

  6. Asuna *-*

    Olha eu estou bem em una situação parecida agora, e meio complicado, eu não dependo tanto das pessoas, mais elas são mais dependentes de mim, e eu realmente preciso de um espaço e por isso eu pretendo sair da minha zona de conforto e tentar algo inovador, vamos ver no que dá né?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s